10 julho, 2012

FONTE OCULTA

Na atualidade do mundo, existem medicamentos que alienam as forças da mente, impelindo-as à prostração, mas não à tranquilidade real.
*
Os homens de hoje dispõem de máquinas que os auxiliam a ganhar tempo, mas não a calma, diante das provações que se lhes fazem necessárias.
*
Por outro lado, a fortuna amoedada, quando não dirigida para o trabalho edificante e para as realizações do bem ao próximo, é suscetível de estabelecer inquietações permanentes.
*
Na mesma ordem de pensamento, a força do poder, apesar das vantagens que é capaz de criar na vida comunitária, quase sempre, é um celeiro de ansiedades e incompreensões.
*
A paz, por isso, tão ardentemente anelada, é comparável a uma cobertura, entretecida com fragmentos de alegria, como sejam:
o retorno de uma pessoa querida, ausente desde muito;
o reajuste do equilíbrio orgânico;
o satisfação das dívidas pagas;
o abraço de um amigo;
uma carta, mensageira de reconforto;
alguns momentos de convívio com a Natureza;
a visão do azul no firmamento;
a presença de uma criança;
o sorriso de alguém;
o carinho de um animal que nos partilhe o ambiente;
os momentos de oração.
*
A paz que jamais se compra é uma luz anterior que nos clareia o caminho para o encontro do melhor que Deus nos reserva; entretanto, estejamos convencidos de que nas bases da consciência, em que a paz encontra nascedouro, jaz a fonte oculta da paciência.
(Livro: Confia e segue. Francisco Cândido Xavier por Emmanuel)
Postar um comentário