30 outubro, 2010

Justiça Divina

O espírito consciente, criado através dos milênios,


nos domínios inferiores da natureza, chega à

condição

de humanidade, depois de haver pago os

tributos que

a evolução lhe reclama.

À vista disso, é natural compreendas que o livre

arbítrio

esta­belece determinada posição para cada alma,

porquanto cada pessoa deve a si mesma a situação

em que se coloca.

Possuis o que deste.

Granjearás o que vens dando.

Conheces o que aprendeste.

Saberás o que estudas.

Encontraste o que buscavas.

Acharás o que procuras.

Obtiveste o que pediste.

Alcançarás o que aspiras.

És hoje o que fizeste contigo ontem.

Serás amanhã o que fazes contigo hoje.

Chegamos no dia claro da razão, simples

e ignorantes, diante do aprimoramento e

do progresso, mas com liberdade interior

de escolher o próprio caminho.

Todos temos, assim, na vontade a alavanca

da vida, com infinitas possibilidades de

mentalizar e realizar.

O governo do Universo é a justiça que

define, em toda parte, a responsabilidade

de cada um.

A glória do Universo é a sabedoria,

expressando luz nas consciências.

O sustento do Universo é o trabalho

que situa cada inteligência no lugar que

lhe compete­

A felicidade do Universo é o amor na

forma do bem de todos.

O Criador concede às criaturas, no

espaço e no tempo, as experiências

que desejem, para que se ajustem,

por fim, às leis de bondade e equilíbrio

que O manifestam. Eis por que perma­necer

na sombra ou na luz, na dor ou na alegria,

no mal ou no bem, é ação espiritual que

depende de nós.





Espírito: EMMANUEL

Médium: Francisco Cândido Xavier

Livro: "Justiça Divina"
Postar um comentário