26 outubro, 2010

O MENINO E O SÁBIO

História contada pelo Swami Tilak* em sua última visita ao Brasil, em 1983, publicada na Revista Thot, nº 53, 1990.

Certa feita, um menino quis desafiar um sábio que passava pela sua aldeia. Com um passarinho preso em suas mãos, aproximou-se dele e perguntou:

— Tenho um pássaro entre as mãos. O senhor sabe se ele está vivo ou se está morto?

Obviamente a pergunta era maldosa, pois se o sábio respondesse que o pássaro estava vivo, o menino pretendia esmagá-lo; se respondesse que morto, abriria suas mãos e o deixaria voar. Contudo, a esperteza do menino sequer desconfiou da extensão dos horizontes da sabedoria, ficando perplexo ante a resposta do venerável homem.

— Isso depende apenas de você, meu filho.

Na vida nem sempre é possível escolher as situações pelas quais passamos. O contingente é uma constante, e uma constante inevitável. Entretanto, sempre é possível escolher o modo, o como viveremos essas situações, é aí que reside a nossa liberdade, a única que podemos verdadeiramente exercer.

Fazer a paz ou fazer a guerra no nosso dia-a-dia, dentro de nosso lar, com o nosso vizinho, com o colega de trabalho ou estudos, com o nosso próximo na rua, no ônibus ou numa reunião de amigos, depende da nossa escolha. É como se a própria sabedoria encarnada na vida estivesse nos dizendo a todo instante:

— Isso depende apenas de você, meu filho.

NOTAS:



SWAMI TILAK - monge indiano falecido em 1984. Viveu uma vida austera, sem acumular bens ou criar qualquer “organização espiritual” em torno de si. Com apenas seus documentos, um cobertor e sua túnica, viajava pelo mundo sem sapatos ou tocar em dinheiro, apenas recebendo contribuições em passagem, hospedagem e comida.

Questionado o porquê de nunca calçar sapatos a despeito do calor ou frio intensos respondeu:

- Não uso sapatos para mostrar aos que não podem comprá-los que é possível ser feliz sem sapatos.

Swami significa "aquele que vive em si mesmo", muitas vezes traduzido como "monge" ou "mestre".Segue abaixo algumas reflexões de Swami Tilak:

SOBRE A DIVERSIDADE DAS RELIGIÕES

Como Deus é onipotente, podemos encontrar Nele qualquer atributo. A mente sempre adora a Deus segundo a atitude de cada um. Há janelas de muitas formas: redondas, quadradas, retangulares... e por elas observamos o céu. O céu não tem forma, mas a forma da janela imposta ao céu nos faz sentir como se o céu tivesse a forma da janela.

Assim, nossa mente tem muitas janelas: a janela dos desejos, dos instintos... por elas tratamos de ver Deus e pensamos que Deus é de acordo com essas formas.

SOBRE A PAZ

Chegar à paz e à tranqüilidade não é fácil, porque para consegui-lo se tem que lutar contra si mesmo.

Lutar contra os outros é fácil, mas lutar contra nosso próprio ser não é.

CRISES

O homem não é sua aparência, é seu pensamento. Então, para superar a crise, temos que melhorar nossos pensamentos.

Necessitamos do homem firme, dos seres de grande valor, daqueles que não tem nenhum medo na presença da morte. Essas pessoas podem dizer o que é correto e o que não é. De outra maneira, se fala segundo o que é conveniente.

A gente tem que fixar os pés, e até que se tenha essa atitude, a crise de qualquer espécie não será evitada.

Todos os dias, a gente deve por à prova as idéias, deve perguntar se no coração do coração, se as idéias são boas ou não. Que falta em minha vida? Vivo segundo os meus ideais?

Dessa maneira a crise do mundo não vai nos afetar, nós vamos afetar a crise.
Postar um comentário