16 setembro, 2011

“PIRÂMIDE” INVERTIDA

Do blog do Dr. Inácio Ferreira/Bacelli http://inacioferreira-baccelli.zip.net/



Confesso a vocês que, desde muito, trago uma “pirâmide” engastalhada na garganta...



Não, não se trata da pirâmide de Quéops, estendida no Planalto de Gizé, com os seus mais de cento e trinta metros de altura e dois milhões e trezentos mil blocos de pedra calcária!



A “pirâmide” há que me refiro é muito maior que a Grande Pirâmide, uma das sete maravilhas do mundo.



Desde quando se me atravessou na garganta, tenho feito força para engoli-la, a ver se a lanço num lugar escuso, mas, infelizmente, nada... Creio, no entanto, que, felizmente, tenha chegado o dia de eu expeli-la!



Vou lhes contar como foi.



Estava, inocentemente, numa tarde de sábado, em Uberaba, escutando a conferência de um expositor espírita sobre o Movimento de Unificação. Tudo corria relativamente bem, quando, tomando um giz e indo à lousa, ele cometeu um “atentado” contra a Geometria, desenhando uma pirâmide que mais parecia um trapézio... de circo!



- Eis como se representa o Movimento de Unificação – disse enfático. – Na base da “pirâmide”, temos o Centro Espírita, e em seu ápice, a FEB – a “Federação Espírita Brasileira”!



E prosseguiu, escrevendo siglas e mais siglas:



- Nos lados da “pirâmide”, em nosso Estado de Minas Gerais, temos: a AME, o CEM, o CRE, o COFEMG, a UEM, o CFN...



Em seguida, traduziu:



- AME – Aliança Municipal Espírita; CEM – Conselho Espírita Municipal; CRE – Conselho Regional Espírita; COFEMG – Conselho Federativo do Estado de Minas Gerais; UEM – União Espírita Mineira; CFN – Conselho Federativo Nacional...



Enquanto nós, os pobres mortais, tentávamos nos nortear entre tantos “Conselhos”, arrematou, apontando para o topo:



- Aqui em cima, o Órgão máximo – a FEB, a Federação Espírita Brasileira!...



Durante mais alguns minutos, discorreu sobre o chamado “Pacto Áureo”, celebrado no dia 5 de outubro de 1949, cuja proposta, mais que de Unificação, era e continua sendo de União entre os adeptos do Espiritismo.



À época, ficara faltando uma sigla, porque o CEI – Conselho Espírita Internacional – ainda não havia sido criado! Ele surgiu em 28 de novembro de 1992!



Quando o expositor uberabense, ligado então à Aliança Municipal Espírita, terminou de falar, ousei levantar o dedinho da carteira em que me encontrava naquele Jardim da Infância, e perguntei com certa timidez:



- Professor, o senhor não acha que esta “pirâmide” está invertida?



- Como assim?! – questionou quase de palmatória na mão.



- O senhor não acha – tornei já me preparando para submeter-me àquela corrigenda medieval - que o Centro Espírita é que deveria estar lá em cima, no ápice da “pirâmide”, e a Federação Espírita Brasileira cá embaixo?...



- Por que o senhor diz isto?! A “FEB” é a nossa Casa-Máter!...



- Não sei – respondi. – É que eu fico pensando em Jesus, que lavou os pés dos discípulos...



- Não tem nada a ver uma coisa com outra!



- Ele também nos disse, no capítulo 9, versículo 35, do Evangelho de Marcos: “Se alguém quer ser o primeiro, será o último e servo de todos”!



- Mas – retrucou -, os Órgãos unificacionistas existem em função dos centros espíritas...



- Não é verdade! – exclamei.



- Como, Doutor?! Eu não estou lhe entendendo...



- O Centro Espírita “Uberabense” nunca foi auxiliado por nenhum Órgão de unificação, nem o “Sanatório”... Aliás, eu não conheço nenhum centro espírita em Uberaba que a “Aliança” tenha, efetivamente, auxiliado! E creio que isto, com uma exceção ou outra, seja em termos de Brasil, e não apenas no âmbito de nossa cidade!...



- Por favor, seja mais claro.



- Pois não, meu caro – retruquei. – Enquanto esta “pirâmide” que você desenhou não virar de cabeça para baixo, nós não vivenciaremos o verdadeiro espírito da Unificação!



E arrematei, ocasionando certo mal estar no companheiro:



- Não é o centro espírita que deve ir à “FEB”, mas a “FEB” é que deve vir ao centro espírita!...



INÁCIO FERREIRA



Uberaba – MG, 6 de setembro de 2011
Postar um comentário