21 junho, 2011

NO CUIDADOSO EXAME






Viva uma existência íntegra de tal modo que, a qualquer momento, você

esteja preparado para morrer.

A preocupação com o termo da jornada física deve ser uma constante em sua

mente, como são o alimento, o vestuário, o prazer e o repouso.

À medida que a ideia da morte se acentua no homem que a vê como portal

libertador, tudo na Terra vai, lentamente, perdendo o magnetismo de

retenção para as almas.

Objetos, pessoas e acontecimentos não são o essencial da vida, antes

constituem meios de alcançar a Vida.

Por essa razão acentuou Jesus: "Quem perder a sua vida por mim,

ganhá-la-á", convidando o homem à valorização das concessões imperecíveis.

* * *

Há os que ganham na vida: posição, títulos, moedas, entesourando problemas

que os retêm na retaguarda. São, em análise real, os perdedores.

E há aqueles que perdem na vida, ganhando-a.

Os primeiros têm tudo, mas não são donos de si mesmos. Deixam-se arrastar

pelo que pensam ter, escravizando-se aos valores passageiros.

Os segundos, nada tendo, governam a si mesmos. Renunciaram às posses

externas para se deterem nos valores internos do espírito.

Examine o que você tem e procure aplicá-lo bem.

Insculpa na mente, com o buril da realidade que não se acomoda aos sonhos

fantasistas, a ideia de libertação no mundo para seguir livremente quando a

morte pousar em seu caminho, convidando-o a acompanhá-la.

Instado por alguém que lhe perguntara, se morresse à tardinha como se

conduziria até aquele momento, Francisco de Assis retrucou: "Continuava

capinando o meu jardim...”



Do irmao Marco Prisco, atraves do irmao Divaldo Franco, do livro Ementário

Espírita



Colaboracao dos irmaos do Projeto Saber e Mudar (saberemudar)



Postar um comentário