09 maio, 2011

DESCUBRA LOGO O QUE VOCÊ VEIO CURAR! -- POR BRUNO J. GIMENES


Entendo que não é uma tarefa fácil descobrir exatamente o que viemos curar nessa vida. Quando me refiro a curar, quero dizer que todos nós, entre diversas tarefas que temos, ainda assim, possuímos uma missão mais específica para realizar em uma experiência de vida, que é a cura das nossas emoções inferiores.



Cada um de nós vivencia a sua jornada envolvido por situações e acontecimentos que naturalmente nos levam na sintonia das emoções específicas que temos. Em suma, essas emoções são de duas naturezas: positivas e negativas.



Dentro das emoções positivas, temos muitas como a alegria, a satisfação, a motivação, a iniciativa, a coragem, o ânimo, entre outras. Nas negativas, temos a raiva, o medo, a frustração, a ansiedade, a angústia, o desespero, entre outras.



Cada ser humano é único em sua consciência e sua personalidade. A personalidade não é do corpo, mas a da alma. Isso quer dizer que nosso temperamento nos acompanha mesmo depois da morte, ou também antes de nascer. Além disso, com o passar dos anos em uma experiência física, vamos crescendo, vamos nos tornando adultos e assim vamos nos impregnando com nossas crenças pessoais a respeito do mundo e das coisas que nos acontecem.



Como conseqüência dos fatos, seguimos reagindo emocionalmente a tudo que encontramos pela frente, amigos, relacionamentos, trabalho, família e diversão, porque todas as atitudes que tomamos em nossas vidas, realmente todas, são para que tenhamos emoções mais controladas ou mais satisfatória. Mesmo que não percebamos, tudo que fazemos é influenciado pela forma como nos sentimos emocionalmente a cerca absolutamente tudo.



Dessa forma, se uma pessoa tem fobia ao trânsito, todos os seus atos e planejamentos de vida serão no sentido de se afastar de situações que envolvam trânsito de automóveis e congestionamentos. Se uma pessoa tem medo da solidão, todos os seus atos e planejamentos de vida serão no sentido de afastá-la de situações que envolvam a solidão. E a pergunta importante que deve ser feita é: será que uma oportunidade incrível na vida de uma pessoa que tem fobia ao trânsito não estaria na cidade de São Paulo? E se essa oportunidade estivesse realmente na "capital do trânsito" e quel faria a vida dessa pessoal se iluminar? E por conta de sua fobia, ela perderia essa oportunidade? Ela perderia a chance de ser feliz inteiramente e de se realizar em diversos aspectos de sua vida?



E no segundo caso, suponhamos que a pessoa necessitasse morar sozinha, como exemplo no exterior, onde não conhecesse ninguém, e nessa situação seria revelada uma incrível oportunidade de expansão de vida em todos os aspectos, o que faria a pessoa que sofre com a solidão? Será que ela aceitaria esse desafio ou desistiria sem mesmo pensar a respeito.



Quando você lê o texto, creio que você possa analisar quais situações você não conseguiria nem pensar em enfrentar, por conta de medos, inseguranças e outras inferioridades. Esse é o objetivo desse artigo, que você possa fazer uma análise sincera, para perceber se está ou não desperdiçando a chance de ser feliz. Nesses medos estão revelados as principais emoções que viemos curar, portanto, atenção!



Não estou aqui ignorando as emoções negativas que por muitas vezes nos paralisam a ponto de não nos permitir agir. Apenas estou alertando que enxergamos o mundo pela lente de nossas emoções inferiores, portanto, essas emoções contaminam a nossa vida.

Então, se elas contaminam a nossa existência, para sermos mais felizes precisamos compreender quais são as nossas emoções inferiores mais protuberantes, para com isso nos alinharmos a uma proposta pessoal de cura e autoconhecimento.

O que você veio curar? Ou melhor, quais emoções você veio curar? É o medo da solidão? É a necessidade de ser aceito e de ter reconhecimento? Veio curar o sentimento de abandono? Veio curar o sentimento de rejeição? Veio curar a ansiedade? O medo da perda? A dependência emocional? A falta de paciência? A irritação?



Procure descobrir o que você veio curar, para em seguida perceber que todas as atitudes que você tem são tomadas no sentido de lhe manter o mais longe possível das emoções que você ainda precisa lapidar.



Com essa nova ótica e com essa consciência, tenho certeza que aos poucos você começará a se alinhar cada vez mais no sentido da missão da sua alma e com isso encontrar um caminho de felicidade naturalmente.

Fonte: Recebido por e-mail
Postar um comentário