27 maio, 2011

NAS FRONTEIRAS DO TEMPO


Tudo o que se interpõe entre você e a consciência do Ser, na origem da vida, pode ser liberado tão facilmente quanto dar um suspiro. Agora mesmo você está apenas a um suspiro de uma mudança da percepção sutil que permite a transformação da sua identidade solitária e individual para uma identidade que é a mesma fonte em cada indivíduo, do objeto de atenção para o fluir da própria atenção, dos conteúdos da consciência para um estado de dar-se conta que revela todo o conteúdo. Quando você se conhece dessa forma, você reconhece os outros iguais a você. Você nos percebe. Nós nos comunicamos. À medida que a nossa comunicação flui em comunhão, você se reconhece em nós. Você desperta para a consciência da nossa origem comum, da nossa fonte.



Somos seres que habitam conscientemente a Presença Universal. Nos campos do espaço e do tempo, nós individualizamos as qualidades do mesmo Ser que compartilhamos com você, da mesma forma que você também tem individualizado outras qualidades deste mesmo Ser. Embora nem todos entre nós escolham como você escolheu, cobrir-se de uma forma humana, ainda assim, somos a sua família dentro do tempo, as suas irmãs, os seus irmãos. Além do tempo, somos apenas um.



Somos uma raça de viajantes, seres espirituais nos eternos campos de luz; no entanto, somos você como você teria sido se não tivesse sucumbido ao encanto da matéria.



Somos você enquanto permanece além da ilusão material, dirigindo-nos nestas páginas a uma parte adormecida de nós mesmos, para que você possa despertar e conhecer esta consciência como sua. Desejamos fazer brilhar a luz sobre a realidade de sua presença, por trás de você, por cima de você, por baixo de você, para que finalmente você possa reconhecer a luz dentro de você e, com isso, desperte.



Só existe um que dorme, embora durma embaixo de cinco bilhões de diferentes camadas de ilusão humana. E só existe um que desperta e, ao despertar, usa essas camadas transformando-as em vestes de biologia luminosa.



Não existe palavra nesta linguagem que transmita simultaneamente o sentimento do eu, de você e de nós. No entanto, é nessa forma de entender que estas transmissões tiveram origem – e é para essa forma de compreensão que elas levam. Você está dos dois lados desta comunicação, transmitindo e recebendo, formando estes pensamentos e também sendo informado.







"A Estrela Semente"

Ken Carey

Editora Cultrix

O Arquivista, ano 2,14,1995





Postar um comentário