18 maio, 2011

SEMENTEIRA ESPIRITUAL

Abre-se a floresta até então intransitável e densa.

Definem-se dificuldades, pântanos, espinheiros…

O semeador, porém, não se confia ao desânimo.

Traça planos.

Ataca o serviço.

Realiza o milagre.

De início, é o desbravar. Em seguida, surgem os imperativos de preparação do solo e de seleção dos recursos. A cova minúscula e escura recebe a semente pequenina,

que perde os envoltórios com a colaboração do tempo.

Só então, é possível a promessa do grelo tenro. Todavia, não param aí os desvelos e as vigílias do semeador.

Hoje, é necessário proteger a plantinha frágil contra o esmagamento; amanhã, é imprescindível furtá-la ao assédio dos vermes destruidores.

Agora, pede a lavoura iniciante adequada medida contra a canícula rigorosa; depois, reclama providência que a salvem do aguaceiro. A fronde, a flor e o fruto representam,

no entanto, o precioso prêmio.

Assim também, é a sementeira espiritual.

Nas profundezas da mente inculta caem os princípios da Divina Sabedoria. Ninguém exija, contudo, o resultado absoluto num instante.

Quantos séculos teremos distendido, na formação da selva de nossos instintos e de nossos caprichos obscuros?

O serviço de adaptação e educação reclama tempo e paciência para que a colheita do conhecimento e do amor, em cada alma, enriqueça os celeiros da Terra.

Não esperemos que o nosso companheiro de experiência nos ofereça a perfeição impraticável de um momento para outro.

Se procuramos o Cristo, gravemos as liçoes d’Ele, em nós mesmos, antes de impô-las aos semelhantes. Adubemos os solos dos corações com a luz do bom exemplo, com a

bênção da fraternidade, com a flor do estímulo e com o silêncio da compreensão.

Não firamos, onde não possamos auxiliar. O Sol resplandece sem palavras, curando as chagas do Planeta. A fonte rola cantando, sem acusações, colada ao dorso da Terra.

O vento fecunda a natureza, sem exigências.

Amemos sempre.

O coração que se devota à fraternidade não usa o poder do verbo para denegrir ou dilacerar.

Passemos auxiliando.

Compadeçamo-nos do cardo que ainda conserva aguçados acúleos. Compadeçamo-nos das ervas envenenadas, que ainda não conseguiram modificar a própria seiva.

Compadeçamo-nos das árvores infelizes, cujos galhos ressecaram pela pobreza do ambiente em que nasceram.

A senda é longa.

A romagem solicita o esforço das horas incessantes.

Sigamos improvisando o bem, por onde passarmos.

Guarde a nossa luta a sublime experiência do semeador.

Compreendamos o cipoal, auxiliemos o chão duro do destino e aproveitemos a lama da estrada para o bem geral, projetando na terra das almas as sementes benditas que o Mestre nos confiou.

E, esperemos o tempo, de vez que o tempo é o patrimônio da Divina bondade que na esteira dos dias, dos anos e dos séculos, nos oferecerá sempre à colheita de nossa vida, segundo as nossas próprias obras.

André Luiz
Postar um comentário