25 maio, 2011

SOBRE OS SONHOS - POR JOÃO CARVALHO NETO






Todos os dias, ao dormirmos, nossa mente consciente entra em um estado de repouso, com baixa atividade,

mas isso não significa que estamos totalmente inativos. O inconsciente que, na verdade, ocupa a maior

parte do trabalho mental, permanece elaborando material de diversas origens, construindo aquilo

que chamamos de sonhos. Dessa forma, apesar de muitas vezes dizermos que dormimos e não sonhamos,

isso nunca acontece. Apenas não nos lembramos deles.



Mas o que é um sonho? Ele tanto pode ser uma atividade dos conteúdos reprimidos do inconsciente,

quanto ser uma atividade espiritual de projeção da consciência adormecida.

Essa vivência espiritual pode levar a encontros com outras individualidades em estado fora do

corpo físico, pode levar a recordações de vidas passadas, ou ainda à captação de registros sobre perspectivas futuras,

naquilo que chamamos de premonição.

Todas essas possibilidades ocorrem com freqüência muito maior do que imaginamos e é preciso saber distingui-las

daquelas outras provindas do inconsciente. A principal diferença está no fato de que o material inconsciente se apresenta

em formatos simbólicos e quase nunca reais, utilizando-se de símbolos universais e símbolos pessoais, fruto das

experiências de cada pessoa.

Já as projeções da consciência, possuem imagens e histórias mais reais, com encontros com pessoas falecidas, vivência

de fatos em outras épocas da história, ou visão de acidentes e ocorrências que poderão se suceder.



Mas os conteúdos do inconsciente é que irão marcar a maioria de nossos sonhos, acontecendo quase que diariamente.

Sua construção se baseia no fato de que ao longo de nossa vida, principalmente, nos anos da infância, existem frustrações

inevitáveis de nossos desejos que nem sempre conseguimos elaborar. Elas então são reprimidas para a zona inconsciente,

como uma forma de proteção do psiquismo contra uma angústia que ele não consegue suportar.



Contudo, esse material, apesar de reprimido, continua ativo, e vai sendo, inclusive, alimentado por novas ocorrências

que se lhe assemelham, fortalecendo o fato anterior naquilo que vai se tornando um complexo. Pois, ao longo da vida,

a força desse material gera estados de insatisfação, ansiedade e angústia, sendo muitas vezes despertado por ocorrências

que funcionam como um gatilho para a sua eclosão, que será quase sempre através da emoção reprimida, sem que o fato

que lhe corresponda venha à tona.

Como esses acontecimentos vão se tornando insuportáveis para a mente consciente, marcados por muita angústia, ao dormir

o inconsciente libera parte desses fatos e suas emoções como uma forma de aliviar as tensões intrapsíquicas.

Para que o consciente não realize a censura que reprimiu o conteúdo originalmente, então, os fatos emergem em um

formato simbólico, como que a tentar enganar as forças repressoras da mente. Basicamente isso é um sonho produzido

pelo inconsciente diariamente.

Claro que, para explicar melhor esse mecanismo, necessitaríamos aprofundar outros conceitos psicanalíticos que não

caberiam neste espaço. Mas escrevemos estas linhas para mostrar a importância dos sonhos em nossas vidas.

Sem eles provavelmente enlouqueceríamos, pois o psiquismo não suportaria suas tensões internas.



Mas a importância dos sonhos reside também no fato de que, ao conseguirmos interpretá-los, podemos compreender melhor

as forças inconscientes que governam nossas vidas, os fatos do passado que não foram devidamente resolvidos e que

continuam à espera de solução, interferindo nas nossas decisões e estados emocionais. É como se esses fatos ficassem

exigindo sua repetição para que, então, dêem outro final à sua história.

Eles nos levam, assim, a fazermos coisas que não gostaríamos, mas que buscamos inconscientemente.

Interpretando os sonhos, podemos tornar conscientes essas demandas do inconsciente, passando a ter mais lucidez

sobre nossas decisões.



João Carvalho Neto é Psicanalista

Autor dos livros "Psicanálise da alma"

e " Casos de um divã transpessoal"

www.joaocarvalho.com.br

























Sabe, eu que costumava deixar muitas coisas para amanhã, resolvi lhe dizer, hoje, o quanto você é importante para mim, porque quando acordei pela manhã, uma pergunta ressoava na acústica de minha alma: “e se não houver amanhã?”



Então hoje eu quero me deter um pouco mais ao seu lado, ouvir suas idéias com mais atenção, observar seus gestos mais singelos, decorar o tom da sua voz, seu jeito de andar, de correr, de abraçar.



Porque... se não houver amanhã... eu quero saber qual é sua comida preferida, a música que você mais gosta, a sua cor predileta...



Hoje eu vou observar seu olhar, descobrir seus desejos, seus anseios, seus sonhos mais secretos e tentar realizá-los.



Porque, se não houver amanhã... Eu quero ter gravado em minha retina o seu sorriso, seu jeito de ser, suas manias...



Hoje eu quero fazer uma prece ao seu lado, descobrir com você essa magia que lhe traz tanta serenidade, quero subir aos céus com você, pelos fios invisíveis da oração.



Hoje eu vou me sentar com você na relva macia, ouvir a melodia dos pássaros e sentir a brisa acariciando meu rosto, colado ao seu, em silêncio... E sem pressa.



Hoje eu vou lhe pedir por favor, agradecer, me desculpar, pedir perdão, se for necessário.



Sabe, eu sempre deixei todas essas coisas para amanhã, mas o amanhã é apenas uma promessa... o hoje é presente.



Assim, se não houver amanhã eu quero descobrir hoje qual é a flor que você mais gosta e lhe ofertar um belo ramalhete.



Quero conhecer seus receios, lhe aconchegar em meus braços e lhe transmitir confiança...



Hoje, quando você for se afastar de mim, vou segurar suas mãos e pedir para que fique um pouco mais ao meu lado.



Sabe, eu sempre costumo deixar as palavras gentis para dizer amanhã, carinhos para fazer amanhã, muita atenção para prestar amanhã, mas o amanhã talvez não nos encontre juntos.



Eu sei que muitas pessoas sofrem quando um ser amado embarca no trem da vida e parte sem que tenham chance de dizer o que sentem, e sei também que isso é motivo de muito remorso e sofrimento.



Por isso eu não quero deixar nada para amanhã, pois se o amanhã chegar e não nos encontrar juntos, você saberá tudo o que sinto por você e saberei também o que você sente por mim.



Nada ficará pendente...



Quero registrar na minha alma cada gesto seu.



Quero gravar em meu ser, para sempre, o seu sorriso, pois se a vida nos levar por caminhos diferentes eu terei você comigo, mesmo estando temporariamente separados.



Sabe, eu não sei se o amanhã chegará para nós, mas sei que hoje, hoje eu posso dizer a você o quanto você é importante para mim.



Seja você meu filho, minha filha, meu esposo ou esposa, um amigo talvez, você vai saber hoje, o quanto é importante para mim... Porque, se não houver amanhã...



.................................



Amanhã o sol será o mesmo mensageiro da luz, mas as circunstâncias, pessoas e coisas, poderão estar diferentes.



Hoje significa o seu momento de agir, semear, investir suas possibilidades afetivas em favor daqueles que convivem com você.



Hoje é o melhor período de tempo na direção do tempo sem fim...



Namastê Om!
Postar um comentário