16 novembro, 2010

Espiritualidade é um estado de consciência - Autor: Wagner Borges

Não é doutrina, não!


É o que se leva dentro do coração.

É o discernimento em ação!



É o amor em profusão.

É a luz nas idéias e equilíbrio na senda.

É o valor consciencial da alegria na jornada.

É a valorização da vida e de todos os aprendizados.



É mais do que só viver; é sentir a vida que pulsa em todas as coisas.

É respeitar a si mesmo, para respeitar o próximo e a natureza.



É ter a plena noção de que nada acaba na morte do corpo, pois a consciência segue além, algures, na eternidade…

É saber disso – com certeza -, e não apenas crer nisso.



É viver isso – com clareza -, sem fraquejar na senda.

É ser um presente, para si mesmo, para os outros e para a própria vida. Espiritualidade é brilho nos olhos e luz nas mãos.



E isso não depende dessa ou daquela doutrina; depende apenas do próprio despertar espiritual; depende do discernimento consciencial se unir aos sentimentos legais, no equilíbrio das próprias energias, nos atos da vida.



Ah, espiritualidade é qualidade perene; não se perde nem se ganha; apenas é!

É valor interno, que descerra o olhar para o infinito… para além dos sentidos convencionais.



É janela espiritual que se abre, dentro de si mesmo, para ver a luz que está em tudo!

Espiritualidade é essa maravilha: o encontro consigo mesmo, em paz.

Espiritualidade é ser feliz, mesmo que ninguém entenda por quê.



É quando você se alegra, só pelo fato de estar vivo!

É quando o seu chacra do coração se abre igual a uma rosa, e você se sente possuído por um amor que não é condicionado a coisa alguma, mas que ama tudo.



É quando você nem sabe explicar porque ama; só sabe que ama.

Espiritualidade não depende de estar na Terra ou no Espaço; de estar solteiro ou casado; de pertencer a esse ou aquele lugar; ou de crer nisso ou naquilo.



É valor de consciência, alcançado por esforço próprio e faz o viver se tornar sadio.



Espiritualidade é apenas isso: SER FELIZ!

Ou, como ensinavam os sábios celtas de outrora:

Postar um comentário