19 julho, 2011

SERÁS TU UM ÍNDIGO ADULTO?






http://www.stum.com.br/tb7622

Sim, tu podes ser um índigo adulto. Os índigos não começaram a chegar à Terra recentemente; o que acontece é que, simplesmente, o seu número tem vindo a aumentar cada vez mais, até, neste momento são já tantos que, finalmente, não podemos ignorá-los.



Será tu um índigo adulto?

Eu creio que os índigos adultos têm as seguintes características:



• São inteligentes ainda que, na escola, não tenham tirado as melhores as notas.



• São muito criativos e desfrutam fazendo coisas.



• Sempre precisam de saber PORQUÊ; especialmente quando se lhes pede que façam algo.



• Desagradava-lhes e, se calhar, odiavam grande parte do trabalho repetitivo e obrigatório da escola. Na escola, eram rebeldes negando-se a fazer os trabalhos e recusavam a autoridade do professor. Ou, então, gostariam de se revoltar mas não se ATREVIAM, geralmente por causa da pressão dos pais.



• É possível que tenham experimentado depressão existencial bem cedo e sentimentos de impotência, os quais podem ter ido desde a tristeza até ao total desespero. Sentimentos suicidas durante a escola secundária ou até antes, são relativamente freqüentes no Índigo adulto.



• Têm dificuldades em empregos não dedicados ao serviço. Os índigos resistem à autoridade e ao sistema laboral hierárquico. Preferem esforços cooperativos, posições de liderança ou trabalhar sozinhos. Têm profunda empatia por outros, mas também uma profunda intolerância perante a estupidez.



• Podem ser extremamente sensíveis emocionalmente, inclusive chorando ao mínimo motivo (sem proteção). Ou, então, podem ser o oposto e não mostrar qualquer expressão de emoção (proteção completa). Podem ter problemas com a IRA. Têm problemas com os sistemas que consideram «gastos» ou ineficazes, como por exemplo, o sistema político, educativo, médico, legal, etc.



• Afastamento ou sensação de irritação com a política, sentindo que a tal voz não conta e que o resultado, realmente, não importa. Frustração ou rejeição do tradicional “sonho americano”: trabalhar oito horas, matrimônio, 2.5 filhos, casa com uma cerca branca, etc.



• Ira quando são privados dos seus direitos; medo e/ou fúria perante o “Grande Irmão (Big Brother) que está a observar-te”.



• Um ardente desejo de fazer algo para mudar ou melhorar o mundo. É possível que não saibam o que fazer. Talvez tenham problemas para identificar o seu caminho. Têm interesses psíquicos ou espirituais desde muito novos; antes ou durante a adolescência.



• Tiveram poucos ou nenhum modelo índigo para imitar. Possuem forte intuição.



• Padrão de comportamento ou estilo mental aleatório (sintomas de Desordem de Falta de Atenção).



• É possível que tenham problemas para se concentrarem nas suas tarefas. Podem saltar de tema durante as conversações (palestras, dissertações, etc).



• Tiveram experiências psíquicas, tais como premonições, ver anjos ou fantasmas, experiências fora do corpo, ouvir vozes, etc.



• Podem ser sensíveis à eletricidade: os relógios não funcionam, as lâmpadas apagam-se quando passam por debaixo delas, os aparelhos elétricos funcionam mal ou queimam-se os fusíveis.



• Podem ter consciência de outras dimensões e realidades paralelas.



• São muito expressivos sexualmente. Também podem recusar a sexualidade por aborrecimento ou com a intenção de conseguir uma ligação espiritual mais elevada. Podem explorar tipos alternativos de sexualidade.



• Procuram o significado das suas vidas e a compreensão do mundo. Podem consegui-lo através da espiritualidade ou da religião, grupos ou livros de auto-ajuda.



• Se chegam a encontrar o seu equilíbrio, podem converter-se em indivíduos muito fortes, sãos e felizes.



Esta é a minha opinião, baseada em conversas com outros índigos adultos e a minha extrapolação a partir de indicadores de Crianças índigo projetados para uma geração atrás.



Wendy Chapman – http://www.metagifted.org/

Título original: Are you an Adult Indigo?

Traducción: Victoria Ruiz (http://www.cultivaelespiritu.com.ar/)

Tradução para português: Vitorino de Sousa (http://www.vitorino.desousa.com/)


Postar um comentário