02 dezembro, 2010

Chamas Gêmeas


twin.JPG
Há eras atrás, além dos confins do tempo e do espaço, você e sua chama gêmea estavam perante Alfa e Ômega, e Deus Pai e Deus Mãe, prometeram trazer para a Terra uma porção da criatividade Divina, trazer a energia do seu próprio Ser, no plano do Espírito, a sua Presença do EU SOU, para o mundo da forma para a ação, para a boa criação, e depois, voltar para o plano do Espírito, tendo dominado o tempo e o espaço.

Aprender e conseguir traduzir energia espiritual para o plano físico requer uma série de encarnações, nas polaridades masculinas e femininas. Desse modo, cada chama gêmea teve a oportunidade de refletir a totalidade do Deus Pai e Deus Mãe.

Se tivéssemos permanecido em harmonia constante, teríamos compartilhado a beleza da relação de amantes cósmicos ao longo de nossas muitas encarnações na Terra. Mas assim que perdemos a harmonia entre nós mesmos e com Deus — por desconfiança, por medo, ou por um senso de separação da nossa identidade divina, permitimos que a escuridão penetrasse em nossas vidas, criando mundos de energia negativa entre nós e nossa chama gêmea. Nós nos achamos mais distantes e mais separados até que passamos à “noite”, como navios perdidos, tragicamente inconscientes da existência de um e do outro.

Cada encarnação, apartados de nossa chama gêmea, foi vivida criando carma negativo ou equilibrando o carma de que se encontrava entre nós e nossa reunião com nossa chama gêmea. Por vezes, assumimos várias relações com nossa chama gêmea: como marido e mulher, como filho e mãe, como filha e pai ou como irmão e irmã, para extinguir as correntes negativas de energia que nós mesmos tínhamos tecido em nossos subconscientes, pelo mau uso do livre arbítrio. Frequentemente, quando as pessoas aprendem que elas compartilham uma missão sem igual, com suas chamas gêmeas, começam a procurar fisicamente aquela alma especial, em vez de buscar a união interior. Esse é sempre um desvio no caminho para a libertação da alma.

Quais as diferenças entre Chama Gêmea e Alma Companheira?
A chama gêmea, ou amor perfeito, nasceu do ovo de fogo branco original. Este é um ovo de luz no seio do qual vocês são criados no Grande Sol Central, a mais intensa concentração de puro espírito existente no universo. Deus cinde depois esse ovo em duas esferas de Luz. Cada uma delas é semelhante ao Corpo Causal que vemos retratado na parte superior da Imagem do Seu Eu Divino. Imaginem, então, essa imagem em duplicado. Dessas duas esferas desceram para a Matéria as almas que são a contrapartida das esferas espirituais. São chamadas “chamas gêmeas” por terem sido originadas no mesmo ovo espiritual. A Presença Eletrônica de cada uma das almas é uma cópia exata da outra. E quando descem ao mundo material, uma assume a polaridade positiva, ou masculina, e a outra a negativa, ou feminina. Uma alma companheira é alguém com quem nós trabalhamos possivelmente durante muitos séculos na mesma missão e na mesma iniciação dos chacras, em uma senda paralela de desenvolvimento anímico. E, embora possa haver uma grande atração e um laço intenso entre almas companheiras, nós podemos defini-la, basicamente e no sentido mais profundo da palavra, mais como uma relação do tipo irmão/irmã, embora as almas companheiras possam fazer ótimos casamentos e uma grande união de corações. Elas têm a sensação de “serem camaradas, peregrinos caminhando juntos na senda, e que o nosso trabalho tem de ser feito em conjunto”. Podem ter estado juntas em várias encarnações, e sentir um laço profundo entre si. Mas se meditarmos realmente a níveis internos, compreendemos que essa relação não vai tão alto nem é tão profunda como a que temos com o nosso complemento direto, a chama gêmea que já conhecemos como o nosso “alter ego” desde o primeiro momento de nossa criação no Grande Sol Central.

Texto extraído de: www.summit.org.br

Postar um comentário