13 dezembro, 2010

QUANDO DOIS SE TORNAM UM – O DOM DA UNIÃO SAGRADA - POR MASHUBI ROCHELL


O dom da união sagrada é uma das maiores bênçãos de Deus. No mundo de hoje, a compreensão da união sagrada esteve limitada aos conceitos e costumes que foram criados em uma época anterior.Hoje, no auge da transformação da humanidade em um planeta de luz, a natureza de todos os relacionamentos, incluindo aquela da união sagrada, está sendo elevada a um novo nível de consciência e de percepção.

Na realidade de Deus, tudo é Um e todas as almas individuais são parte do Uno que é Deus. Da perspectiva de nossa consciência individual, humana, nós freqüentemente nos sentimos sozinhos e anelamos a conexão, o companheirismo, e os relacionamentos satisfatórios. A solidão que sentimos é uma parte da consciência de individuação em que a humanidade evoluiu desde que assumiu a forma física, e no momento atual em nossa evolução, há agora uma possibilidade muito maior de ultrapassarmos isto para nos ligarmos à intensidade do amor de Deus através de nossos relacionamentos e conexões com outros.
 
Uma união sagrada ocorre quando duas almas são guiadas através do seu amor, uma pela outra, unem os seus corações, mentes, corpos e vidas diárias, em uma nova entidade que é maior do que qualquer indivíduo sozinho. Um laço de união sagrada cria uma sinergia e uma bênção que irradia para o mundo, e que pode ser vista e sentida de forma tangível, como a presença da luz e do amor.

Enquanto mais almas começam a se re-conectar com as suas origens divinas, as possibilidades para os relacionamentos se multiplicam exponencialmente. O amor se torna a força condutora, o que rompe todas as barreiras do medo, a partir do nível do ego do ser, e assume uma vida própria. Pode-se dizer que, em uma parceria divina, dois se tornam Um em Deus. Em tal parceria divina, duas almas se unem, entregando-se à vontade de Deus, o que dirige o relacionamento.

Quando uma alma começa a se re-conectar com as suas origens divinas, um mundo inteiramente novo se abre diante delas. Muitas “necessidades” que eram sentidas ao nível do ego da personalidade, começam a desaparecer, uma vez que a alma compreende a sua conexão divina com a fonte de todo o amor. Enquanto a alma começa a relaxar em sua identidade espiritual, portais começam a se abrir, tanto emocionalmente, quanto aos níveis espirituais. Um fluxo divino começa e tece os filamentos do amor e da luz de Deus em todos os aspectos da vida diária. Os relacionamentos assumem um novo brilho e plenitude, e há menos apego ao ego, o que promove a troca aberta de maiores níveis de luz espiritual.

Esta nova forma de relacionamento é o ponto culminante do processo de transição da humanidade, inicialmente de seres de luz nos reinos espirituais, que então assumem a forma física enquanto mantêm a sua conexão com o Um... e então como seres cada vez mais físicos, que se tornam imersos na matéria e se tornam menos conscientes do espírito. Agora, o círculo está se completando, de modo que as almas que atingiram a individuação máxima e a consciência separada estão começando a despertar para a recordação do espírito.

Em épocas anteriores, a natureza da união sagrada estava ligada ao dever, ou relacionada às necessidades práticas. Hoje em dia, enquanto os relacionamentos humanos se transformam e se tornam mais conscientes, a natureza da união sagrada entra em um domínio inteiramente novo de possibilidades, que está relacionada a duas almas que se tornam Uma em Deus, sem liberar a sua individualidade ou identidades únicas.

O que torna mais possível agora os relacionamentos humanos está relacionado à expansão da luz espiritual na Terra, que acelerou o processo de transformação da humanidade. Este influxo de luz começou a despertar os corações, mentes e corpos de muitas pessoas que estão começando a ter uma experiência direta do amor e da luz de Deus. Este tipo de experiência direta pode transformar uma vida, e pode curar aquilo que pode ter parecido impossível curar.
Postar um comentário