13 dezembro, 2010

Alguém hoje

Alguém hoje ainda talvez te procure pedindo auxílio.
Alguém que provavelmente não fale, mas trará nos olhos ou nos próprios atos a súplica de amparo que a palavra nem sempre diz.
Alguém que terá errado, a rogar-te um gesto de simpatia, a fim de retificar-se; que se vê sob o frio da angústia, esmolando segurança; que haverá perdido afeições inesquecíveis no nevoeiro da morte, a implorar-te reconforto; que padecerá solidão, mendigando alguns momentos de companhia...
Não te afirmes incapaz, nem te digas inútil.
Auxilia como puderes.
O Céu saberá usar-te.
Organiza as tuas prateleiras de bondade e serve esperança e coragem aos que te busquem apoio.
Oferece-te para o trabalho do bem, como te encontras e tal qual és, fazendo o melhor de ti.
Não temas.
Se desejas renovação e se tens fé, podes claramente entrar no serviço ao próximo, a colaborar no supermercado da luz, entregando as bênçãos de Deus.
Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Amizade. Ditado pelo Espírito Memei.
Postar um comentário