11 dezembro, 2010

COM OS OUVIDOS DA ALMA


O fato é narrado por uma mulher que vivia nas colinas da Escócia. Era inverno, próximo ao Natal.



Roberto, o marido, era ferreiro. Ela, mãe ocupada, cuidava dos quatro filhos.



O menor era o que lhe dava maior preocupação. É que o garoto era surdo. Ela ficara muito doente durante a sua gestação e o menino nascera com aquela deficiência.



De resto, era esperto e depressa aprendeu a ler. Para manter a conversação com a mãe e os irmãos, André se servia de gestos e, como aos cinco anos já sabia escrever muitas palavras, usava papel e caneta para expressar aquilo que não conseguiam entender por seus gestos.



Naqueles dias, próximos ao Natal, o marido foi chamado para prestar serviços em uma fazenda distante e ela ficou só com as quatro crianças.



A tempestade veio e durou dias. A caixa de lenha ao lado do fogão começou a ficar vazia.



Na quase véspera do Natal, Elizabeth agradeceu a Deus pela colheita do verão ter sido boa, pelas compotas terem dado certo e pela boa caça do seu marido. Assim, eles teriam o suficiente para se alimentarem até acabar aquele inverno ingrato.



Mas a lenha acabou. Ela reuniu os quatro filhos, calçaram e se agasalharam bem e saíram quando o tempo deu uma trégua.



Os pequenos Mary, Alice e André brincavam entre as árvores, felizes por estarem fora de casa. Corriam de um lado para outro, enquanto ela e o filho maior, de 15 anos, cortavam troncos em pedaços pequenos e colocavam no trenó.



Num piscar de olhos, o tempo mudou. O vento soprou forte e a neve caiu violenta. Ela conseguiu encontrar as duas meninas mas não o pequeno André. Por mais que chamasse, ele não a ouviria. Era surdo.



Voltaram para casa a fim de não congelarem. As horas angustiosas passaram lentas. Quando a tempestade acalmou, ela se preparou para ir procurar o menino.



Estaria vivo? Teria caído, cego pela tempestade, em algum penhasco?



Então, alguém bateu na porta. Era o pequeno André, sorridente.



Entre gestos e escritos no papel explicou que logo que a tempestade começou, ficou agachado atrás de um tronco.



Depois, escreveu que ouviu chamar o seu nome: André. Foi até onde a voz vinha e não tinha ninguém.



Então ouviu de novo: Venha, André, venha para casa.



Continuou caminhando, seguindo a voz, embora não visse ninguém. E assim foi até chegar em casa.



Então a mãe caiu de joelhos, abraçou seu tesouro e agradeceu a Deus por ter enviado um mensageiro Seu, aquela voz para guiar o seu filho.



Uma voz que não vinha do mundo exterior, mas que se fez ouvir na alma do pequenino André. A voz dos invisíveis.



* * *



O Natal é uma época de esperança, de confiança e de fé. É uma época de acreditar no invisível e em maravilhas que o Divino Pai nos proporciona.



Uma época em que os Mensageiros de Deus cantam, falam e os surdos ouvem as Suas vozes.



Natal é o momento em que a Terra toca os céus, aquieta os seus gritos para ouvir o excelso canto da esperança.



Jesus nasceu em Belém. A esperança se renova. Comemoremos.







Redação do Momento Espírita, com base no conto Tempestade nas montanhas, de autoria ignorada. Em 10.12.2010.



Tenham um dia repleto de paz!



Beijos em vossos corações
Postar um comentário