20 janeiro, 2011

Perdoar é soltar o pescoço do outro!



Perdoar para mim sempre teve a ver com esquecer. Isso sempre me pareceu muito difícil, e por isso, mais dificil ainda o ato de perdoar.

Depois de ler a frase acima, momento de angustia, quando o livro A CABANA caiu em minhas mãos (talvez tenha sido a unica frase que realmente ficou marcada em minha mente após a leitura), comecei a ter uma visão menos endeusada (numa pobreza de vocabulário) e mais enriquecida sobre o perdão.

E não falo isso do ponto de vista somente espiritual ou religioso, mas psicológico mesmo, visto que tudo o que tentamos mais esquecer, é o que mais lembramos. Existem leis da psicologia que explicam isso, mas não é o caso desse texto.

Depois dessa frase, passei a entender o poder do perdão. Passei a perceber que posso perdoar sem ter que me castigar tentando esquecer algo que não quer ser esquecido. Vi que posso perdoar sempre que desejar, mesmo que depois eu tenha que trabalhar minhas questões internas com relação àquilo que ainda me machuca, aquilo que me incomoda, aquilo que me judia, aquilo que me magoou.

Ví  que posso liberar o outro de mim, o que fará bem aos dois. Então, julgo ser um bom exercicio psicológico e espiritual abrir as mãos e soltar o pescoço daqueles que eventualmente nos fizeram algum mal, ou causaram algum prejuízo, pois também cometemos nossos pequenos crimes diários, e certamente não desejaríamos ter as mãos dos nossos credores envoltas em nossos pescoços permanentemente. Além do que, ficar prendendo alguém pelo pescoço tanto nos faz perder nosso próprio tempo e energia, quanto as do outro, que eventualmente poderia usar o mesmo tempo e energia até mesmo para reparar o feito. Assim como nós.

Ao mesmo tempo, encontrei um rascunho de uma oração que, segundo consta, tem mais de 5.000 anos, que era utilizada pela filosofia Huna (vejam que o perdão é muito mais antigo que a presença do Cristo na terra). Era utilizada para, segundo a crença, remover bloqueios, raivas, mágoas, tristezas, culpas, etc.

Não tenho certeza se o texto está correto, ou mesmo inteiro, mas vou apresentá-lo. Quem sabe é o texto que você está precisando para começar uma nova vida psicológica, mental e espiritual.

ORAÇÂO DO PERDÃO

Buscando eliminar todos os bloqueios que atrapalham minha evolução, dedicarei alguns minutos para perdoar.

A partir desse momento eu perdôo todas as pessoas que de alguma forma me ofenderam, injuriaram prejudicaram ou causaram dificuldades desnecessárias. Perdôo, sinceramente, quem me rejeitou, odiou, abandonou, traiu, ridicularizou, humilhou, amedrontou, iludiu.

Perdôo especialmente quem me provocou até que eu perdesse a paciência e reagisse violentamente, para depois me fazer sentir vergonha, remorso e culpa inadequada. Reconheço também que fui responsável pelas agressões que recebi, pois várias vezes confiei em pessoas negativas, permiti que me fizessem de bobo e descarregassem sobre mim seu mau caráter.

Quando me lembrar das pessoas que me fizeram sofrer, procurarei valorizar suas boas qualidades e pedirei ao Criador que as perdoe também, evitando que sejam castigadas pela lei da causa e efeito. Dou razão a todas as pessoas que rejeitaram o meu amor e minhas boas intenções, pois reconheço que é um direito que assiste a cada um me repelir, não me corresponder e me afastar de suas vidas.

Agora, sinceramente, peço a Deus que leve meu pedido de perdão a todas as pessoas a quem, de alguma forma, em algum tempo, consciente ou inconscientemente, eu ofendi, injuriei, prejudiquei ou desagradei. E que, se no julgamento das minhas ações, eu tenha créditos suficientes para pagar todas as minhas dividas e resgatar todas as minhas culpas, que assim se cumpra.

Agradeço de todo coração a todas as pessoas que me ajudaram, e comprometo-me a retribuir trabalhando para o meu bem e o bem do próximo, atuando como agente catalisador de entusiasmo, prosperidade e auto-realização. Tudo farei em harmonia com as leis da natureza e com a permissão do nosso Criador, real e atuante dentro e fora de mim.

AMEM.

Namastê Shalom
Célia Regina Prado
Postar um comentário