13 dezembro, 2010

A Mensagem dos grandes Seres



 
O conhecimento correto -o qual representa um dos aspectos do Caminho Óctuple do dharma budista- é um verdadeiro alimento para a alma, por isto Jesus disse que nem só de pão vive o homem, mas também de toda a palavra da verdade sagrada; coisa esta que parece ter relação com o maná dos hebreus, recebido durante a sua peregrinação pelo deserto na ocasião do êxodo. Considerando que o êxodo representa uma jornada iniciática, é natural que esta fosse regada por informações diretas vindas de Deus através da própria Hierarquia, representada neste caso pelo Manu Moisés. O Manu é um Pensador-Mentor-Monitor racial, e o termo advém de manas, "mente", diretamente relacionada ao maná hebreu. Assim, tal como todos aqueles que embarcaram um dia na arca de Noé, o povo-em-trânsito estava sujeito aos elevados ensinamentos de uma Escola Iniciática e lhe servia de receptáculo terrenal. Uma das provas, foi a vitória sobre Jericó usando mantras e instrumentos sonoros. 

O ensinamento dos grandes mestres não se reduz a chavões místicos ou a modismos esotéricos. Os mestres são seres iluminados, não atuam com preconceitos e sim no plano da síntese, tendo experiencias ricas e diversificadas, de fato sobrehumanas também sob certos aspectos, mas por isto mesmo capaz de auxiliar a humanidade porque não se tratam apenas de "buscadores mais avançados", mas sim de seres realizados em todos os aspectos da vida. Por esta razão é que os seus ensinamentos podem ser tratados como alimento vital, e embasar civilizações inteiras. 

Analisando a fundo a mensagem dos grandes Enviados divinos, vemos que a sua palavra se concentra no objetivo de despertar as consciências para a verdade e a importância da vida plena. Com isto eles combatem de um lado ao ceticismo, e de outro lado as falsas doutrinas sobre a imortalidade, instando a todos a aproveitar as oportunidades da encarnação a fim de despertar para o espírito e conhecer os valores imortais. Por aí podemos perceber ser esta realmente a grande essência da alienação humana, ou seja, ignorar os verdadeiros caminhos da vida e da morte, coisa infelizmente pouco compreensível para aqueles que todavia não tem conquistado a eternidade, sujeitando-se assim a toda sorte de equívocos e de ilusões. 

Palavras como iniciação, iluminação, reencarnação, salvação e ressurreição, estão voltadas à afirmação desta vida maior. Porém, infelizmente o assunto não raro é tratado de maneira menor, distorcida e supersticiosa, por ignorância ou em função dos conflitos de interesses humanos, o que é muito grave porque afronta diretamente o próprio sentido da vida e, através disto, o equilíbrio e a sustentabilidade da presença humana sobre a Terra. 

E assim, através desta redução humana dos grandes preceitos tradicionais, pode acontecer todo o tipo de superstição. A iniciação é vista como um rito sem maior implicação na vida diária; a salvação é prometida através de batismos infantis; a iluminação é considerada um simples insight de consciência; a reencarnação é tratada como algo independente da iniciação; e a ressurreição é focalizada em termos materialistas ou físicos. Ademais, existem muitas outras distorções em torno dos ensinamentos dos grandes mestres, susten-tadas através de erros de interpretação, de compreensão e de tradução, motivando a necessidade de renovação periódica profunda do ensinamento espiritual, envolvendo inclusive a mudança das bases geográficas. Vale lembrar que, distorções à parte, a própria espiritualidade está sujeita à evolução, de tal modo que, aquilo que ontem era uma verdade ampla, mais tarde será apenas o fragmento de uma verdade maior, ampliada pelo próprio progresso da revelação. Ademais, o fato da mensagem essencial dos mestres ser a "vida" real, não implica que as soluções propostas seja exatamente idênticas, uma vez que tudo está em evolução. Digamos que cada vez mais são entregues chaves para que o ser humano possa se aproximar da Verdade, e por conta própria inclusive. Cada raça e cada indivíduo tem a sua própria situação, e naturalmente é entregue uma mensagem geral para uma época ao lado de nuances particulares para os indivíduos. 

Daí ser necessário restaurar os princípios destes mecanismos, que terminam sendo deteriorados por uma ou por outra razão. As falsas doutrinas não são pior do que o ceticismo, e muitas vezes são mesmo a sua causa direta, porque investem contra a razão e o bom senso. Assim, é preciso reafirmar a Verdade, cujas bases se acham no equilíbrio e na integração com as forças espirituais. É por esta razão que Jesus reúne os valores de verdade, caminho e vida, à sua própria pessoa, coisa que todo o avatar deve fazer. Pois a verdade é a vida eterna e vice-versa, e o caminho é a conscientização desta verdade, que surge ademais em consonância com as energias e os ensinamentos dos grandes mestres, chamados de Dharma no Oriente. 

Desconheço o autor
Fonte: mensagem recebida por e-mail.
Postar um comentário